a
Eco Primos oferece soluções para gerenciamento de resíduos com maquinários BrunoForest News | Forestnews

Eco Primos oferece soluções para gerenciamento de resíduos com maquinários Bruno

A Eco Primos está desde 1986 no mercado e é especializada no gerenciamento de resíduos industriais. A empresa conta com uma sede de 115 mil m² em Rio Claro (SP) e atua em, praticamente, todo o estado de São Paulo, movimentando anualmente 255 mil toneladas de resíduos em geral, com uma frota de cerca de 100 veículos – responsáveis por percorrer mais de 3,9 milhões de quilômetros por ano e mais de 550 colaboradores contribuindo para o sucesso da empresa.

Esse status de referência foi conquistado pela Eco Primos tendo a Bruno Segmento Reciclagem como parceira. Desde 2011, as empresas trabalham juntas e em 2013 iniciaram as operações na fábrica em Rio Claro com equipamentos para uma unidade de coprocessamento de resíduos.

Em 2022, a Bruno trocou o pré-triturador da Eco Primos para um equipamento mais potente, passando um maquinário com acionamento de duas vezes 125 CV para um com 175 CV, além de ferramentas mais fechadas para melhorar o processo inicial na linha. Em parceria com a Weima, a Bruno também colocou um granulador para aumentar a produção de CDR, que passou de 10/12 ton/hora para 18/20 ton/hora.

“A Bruno participou de forma fundamental no desenvolvimento da produção de CDR no Brasil nesse período, possibilitando um marco no setor. Essa participação viabilizou a inserção dessa tecnologia no país. Eles têm uma característica bem importante que é estruturar um projeto de forma personalizada, atendendo sua necessidade de forma bem específica. Isso facilita nosso trabalho para estruturar um projeto dessa magnitude”, prossegue Nivaldo Araújo.

A Eco Primos há 37 anos fomenta o setor de gerenciamento de resíduos sólidos no Brasil, que é uma das bases para o cumprimento de diversas metas ambientais no setor industrial.
Dentro das soluções ambientais oferecidas pela Eco Primos está toda a gestão e gerenciamento de resíduos, a organização da central de resíduos dentro de clientes para uma melhor triagem e valorização desses materiais, definição de rotas eficiente de coletas e transporte e equipamentos para acondicionamento como caçambas, compactadores, tanques e outros, tudo para que esse trabalho de fato atinja o objetivo e siga sobre o conceito da economia circular.

“Assim nós conseguimos valorizar melhor o papel, o plástico, a sucata metálica, tratar a biomassa, produzir combustível alternativo e isso potencializa a receita dos nossos clientes, além de ampliar o desenvolvimento ambiental, dando o destino adequado e utilização do resíduo como combustível do CDR para que ele não seja descartado de forma incorreta e cause danos ao meio ambiente”, explica Nivaldo Araújo, gerente da unidade de negócios da Eco Primos.

Bruno e Forest na Estrada

Essa matéria faz parte do projeto Bruno e Forest na Estrada, promovido pela Bruno Industrial e com produção pela Forest Digital. Com visitas em sete estados do Brasil e no Uruguai, a equipe das empresas formadas por técnicos e jornalistas apresentou o mercado da biomassa, florestal e reciclagem nesses países por meio de companhias referências dentro desses segmentos.

Desde 2011, a Eco Primos e Bruno trabalham juntas e em 2013 iniciaram as operações na fábrica em Rio Claro com equipamentos para uma unidade de coprocessamento de resíduos. (Igor Nevws/Forest News)
A Bruno participou de forma fundamental no desenvolvimento da produção de CDR no Brasil durante a parceria com a Eco Primos, possibilitando um marco no setor. (Igor Neves/Forest News)
Dentro das soluções oferecidas pela Eco Primos está dimensionamento de uma central de resíduos, definição de rotas eficiente de coletas e transporte, a organização da central de resíduos para uma melhor triagem e valorização desses materiais e equipamentos. (Igor Neves/Forest News)
O projeto Bruno e Forest na Estrada, promovido pela Bruno Industrial e com produção pela Forest Digital, tem apresentado o mercado da biomassa, florestal e reciclagem. (Igor Neves/Forest News)

Compartilhe